quinta-feira, novembro 17, 2005

Amar ou Odiar a Vida?

Jesus fez diversas afirmações que deixavam os seus ouvintes atónitos. Por exemplo: “Quem ama a sua vida perde-a; mas aquele que odeia a sua vida neste mundo preservá-la-á para a vida eterna.” (João 12:25).
Compreendemos muito bem o significado actual das palavras amar e odiar. Usando esse significado neste verso poderíamos pensar que Jesus está a dizer-nos para odiarmos a nossa vida em vez de a amarmos. E realmente não seria difícil encontrarmos aspectos a odiar nas nossas vidas. “Odiar” um patrão ou um ministro injusto, “odiar” as pessoas que nos maltratam, “odiar” os desentendimentos nos relacionamentos, “odiar” os nossos alunos/professores, “odiar” até mesmo as doenças que nos afligem ou “odiar” o facto de não termos emprego que temos ou que desejamos. Mas seria esta a aplicação que Jesus queria que fizéssemos das suas palavras?
Realmente não é o significado actual de amar e odiar que devemos utilizar mas sim outro. Algumas versões bíblicas usam o termo “aborrecer ou desprezar” em vez de “odiar”. Mas, para entendermos o que Jesus queria dizer, devemos pensar na história de Jacó com as suas mulheres, do qual se diz que amava Raquel muito mais do que a Leia e logo a seguir diz: “Viu pois o Senhor que Leia era desprezada/aborrecida…” que literalmente queria dizer “odiada” (Gén.28:30,31). Na compreensão hebraica, amar uma pessoa e odiar outra significava amar uma mais do que a outra (STEIN, 1999). Portanto quando Jesus fez aquela afirmação, ele estava a dizer aos seus discípulos para amarem menos a sua vida neste mundo. Jesus estava a dizer-lhes para não considerarem a sua vida neste mundo mais importante do que a vida que Ele lhes queria dar.
Deste modo, as palavras de Jesus não significam que nós, hoje, devemos odiar a vida que temos (com todos as bênçãos e dificuldades) mas sim que devemos amar menos esta vida (com todos as bênçãos e dificuldades), considerando-a menos importante, do que o nosso relacionamento e o nosso compromisso com as palavras de Cristo!
Estão a ver as implicações desta ideia?

6 comentários:

Ego ipse disse...

O termo grego (Strong 3404) é bem mais forte "miseo" (de detestar, desprezivel) e é neste sentido, concordando com o que escreveste a nossa vida é desprezivel, detestável quando comparada com a vida que nos é dada em Cristo

JOINCANTO disse...

Gostei de ler Victor (como sempre)!
"Amarás aos Senhor teu Deus..."
Primeiro Deus.
Abraços.

Vilma disse...

Posso aplicar o meu versículo de vida aqui: Filipenses 1:21
Muito bom Vitor!

Vitor Mota disse...

Obrigado a todos pelas palavras. Realmente a Palavra de Deus é única!

Marlene Maravilha disse...

É isso mesmo Vitor, já vi que voltarei aqui diariamente a aprender muito contigo. Sim, como é bom nos edificarmos um com o outro, trocando nossos comentários e experiencias.
Gosto de ver que o cristão aí em Portugal se dedica muito a estudar a Palavra do Senhor e muito isso me alegra.
Um abraço

Lenita disse...

Obrigada pelo estudo elucidativo.
Devemos viver em atitude de "Páscoa", ou seja apetrechados para a partida - parece-me ser o que Paulo explica posteriormente nas suas cartas.
Beijos