segunda-feira, dezembro 10, 2007

A obra da Vida

video
É isto que Deus faz, em termos espirituais, quando colocamos a nossa vida, cheia de deficiências, de fraquezas, de pecado, nas Suas mãos: uma linda obra surge!
"E tenho a certeza de que Deus, que começou essa boa obra na vossa vida, vai completá-la até ao momento em que Jesus Cristo voltar."
- Filipenses 1.6

domingo, dezembro 09, 2007

Assalto sem misericórdia

As instalações da "Comunidade Vida e Paz" foram assaltadas este fim de semana pelo que desapareceu cerca de metade de todos os bens materiais recolhidos para oferecer aos Sem-Abrigo de Lisboa no próximo fim de semana.
Mesmo que a segurança policial tenha estado quase "toda" a proteger as entidades presentes na cimeira Europa-Ásia, é incompreensível este roubo o que nos faz pensar em como os valores humanos desceram a um nível tão baixo!

De qualquer modo deixo aqui o apelo para que possam ajudar, contribuindo, caso possam, de modo que este presente aos mais desfavorecidos não deixe de se dar.

Para mais pormenores veja em: http://www.cvidaepaz.org/

segunda-feira, dezembro 03, 2007

Deficiências

Hoje comemorou-se o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência e gostaria de deixar aqui um desafio em forma de pergunta:
O que poderão fazer também as Igrejas Cristãs, nomeadamente as Evangélicas, para alcançar as pessoas com deficiências?

quinta-feira, novembro 29, 2007

Luto Evangélico

O blogue Canto do Jo disse o seguinte: "O último sopro apaga os mecanismos orgânicos do corpo e faz desfolhar a primeira página do segundo capítulo da existência."

Isto fez-me lembrar uma recente situação que vivi na minha Igreja. Uma irmã nossa faleceu durante a semana e no sábado realizou-se uma cerimónia fúnebre, que por sinal foi bastante participada e repleta de emoção dados os lindos testemunhos contados referentes à vida desta irmã. Até aqui tudo perfeito.
Entretanto os jovens tinham preparado para essa tarde um "Festival de Dons e Talentos" que nada mais era do que um culto de louvor a Deus por todas as capacidade que d'Ele temos recebido.
A cerimónia fúnebre antecedeu este festival e portanto tudo se realizou para glória de Deus.

No entanto, segundo a opinião de alguns irmãos devia ter-se cancelado o referido Festival em função do luto e respeito que a Igreja devia prestar e de outras razões invocadas.
Eu tenho a minha posição mas gostaria de saber a sua.
Os dois momentos são incompatíveis?

terça-feira, novembro 27, 2007

Coerência


"Se orares por uma pessoa numa noite, precisas de fazer algo por ela no dia seguinte."

quinta-feira, novembro 22, 2007

Natal dos Sem-Abrigo

Ontem fui à formação dos voluntários para ajudarem na Festa de Natal dos Sem-Abrigo em Lisboa. Fiquei impressionado com a onda de voluntários presente. Eram talvez... duas centenas, já no 3º dia de formação e com a Selecção a jogar à mesma hora!

Pelos vistos, o povo português está a tornar-se mais compassivo. É bom!

segunda-feira, novembro 19, 2007

Pais pouco brincalhões

Segundo uma estatística recente, apenas 6% dos pais portugueses brincam com os seus filhos diáriamente. Fiquei a pensar nas razões para tal.



Será por falta de tempo? Será por falta de amor? Ou será por falta de discernimento das reais necessidades emocionais de uma criança?

O próprio Jesus valorizou as crianças buscando a sua companhia e incentivando os adultos a serem mais como elas. Talvez seja a falta deste espírito que nos leva a sermos um povo que lhes dá tão pouca (real) atenção!

terça-feira, novembro 13, 2007

Summit Portugal 2007

Se me permitem, gostaria de recomendar, para os que vivem na região Norte, a participação nesta conferência sobre Liderança que terá lugar no Porto na próxima 6ªF e sábado.
Participei na mesma conferência realizada em Lisboa e posso afirmar que as palestas e as entrevistas que se podem escutar são de nível extremamente elevado, ao ponto de terem deixado uma marca profunda na minha vida.
É uma oportunidade única, de formação em liderança, a não perder
É um investimento do qual vai dar muitas graças a Deus.
É uma oportunidade de ouro!

Mais informações em: http://www.summitportugal.org/

quinta-feira, novembro 08, 2007

Quem te está a fazer sorrir?

"Sabe, sorrir é infeccioso; pode apanhar isso como uma gripe.
Alguém sorriu pra mim hoje, e eu comecei a sorrir também.
Quando eu virei a esquina alguém viu o meu sorriso e começou a sorrir.
Percebi então que havia passado para ele também.
Eu pensei então naquele sorriso e percebi o seu tamanho.
Um único sorriso, igual ao meu, poderia viajar em volta da terra.
Assim se você sentir um sorriso começando, não faça nada para impedi-lo.
Vamos começar uma epidemia rápida, para provocar uma infecção mundial!
Mantenha o sorriso.
Afinal, todo mundo precisa de um sorriso!!! "

Recebi hoje esta mensagem por email e lembrei-me que quem me está a fazer sorrir hoje é a minha filha!

E a ti, quem (ou o quê?) te está a fazer sorrir?

domingo, novembro 04, 2007

Estado sem compaixão

Vi hoje no telejornal que uma senhora, com problemas graves de saúde, nomeadamente ao nível da sua locomoção foi convocada para se apresentar ao serviço porque a Junta Médica acha que é muito nova para se reformar. As suas dificuldades não são motivo suficiente, ao que parece.

Caso como estes começam por ser normais. Tenho uma colega professora que foi impedida de ter um horário reduzido e em vez disso foi obrigado a leccionar de acordo com um horário completo mesmo tendo graves problemas de saúde, que a levam ao hospital dezenas de horas por semana e que a impossibilitam de ter as condições mínimas para leccionar.

Que falta de bom senso!

Que falta de compaixão!

sábado, novembro 03, 2007

Santos e Finados - II

Num post que escrevi há dois anos, sobre o Dia de todos os Santos e dia dos Finados, foi colocado, agora, por um anónimo, um comentário que gostaria de partilhar, por conter um conteúdo com o qual concordo em algumas partes, mas também para levantar algumas questões (a vermelho) como reflexão.

"Solenidade de Todos os Santos Hoje.
A Igreja volta seu olhar e seu coração para o céu e enche-se de alegria ao contemplar uma multidão que participa da glória e da plenitude do Deus Santo. (É isto que realmente se faz neste dia? Existe esta certeza de que os que já partiram estão com Deus?)
A nossa fé nos ensina que somente Deus é Santo. Na Bíblia, "santo" significa, literalmente, "separado". Deus é aquele que é separado, absolutamente diferente de tudo quanto exista no céu e na terra: Ele é único, Ele é absoluto, Ele sozinho se basta, sozinho é pleno, sozinho é infinitamente feliz. Ele é Deus! Por isso, Santo, em sentido absoluto, é somente o Deus uno e trino, Pai, Filho e Espírito Santo. A Jesus, o Filho eterno feito homem, nós proclamamos em cada missa: "Só vós sois o Santo"; ao Pai nós dizemos: "Na verdade, ó Pai, vós sois Santo e fonte de toda santidade"; ao Espírito nós chamamos de Santo.

Mas, a nossa fé também nos ensina que este Deus santo e pleno, dobra-se carinhosamente sobre a humanidade – sobre cada um de nós - para nos dar a sua própria vida, para nos fazer participantes de sua própria plenitude, sua própria santidade. Foi assim que o Pai, cheio de imenso amor, enviou-nos seu Filho único até nós, e este, morto e ressuscitado, infundiu no mais íntimo de nós e de toda a Igreja o seu Espírito de santidade. Eis, quanta misericórdia: Deus, o único Santo, nos santifica pelo Filho no Espírito: "Vede que grande presente de amor o Pai nos deu: sermos chamados filhos de Deus! E nós o somos!" É isto a santidade para nós: participar da vida do próprio Deus, sermos separados, consagrados por ele e para ele desde o nosso Batismo, para vivermos sua própria vida, vida de filhos no Filho Jesus! É assim que todo cristão é um santificado, um separado para Deus. Mas, esta santidade que já possuímos deve, contudo, aparecer no nosso modo de viver, nas nossas ações e atitudes. E o modelo de toda santidade é Jesus, o Bem-aventurado. Ele, o Filho, foi totalmente aberto para o Pai no Espírito Santo e, por isso, foi totalmente pobre, totalmente manso, totalmente puro e abandonado a Deus no pranto, na fome de justiça e na misericórdia. Então, ser santo, é ser como Jesus, deixando-se guiar e transformar pelo seu Espírito em direção ao Pai. Esta santidade é um processo que dura a vida toda e somente será pleno na glória. São João nos fala disso na segunda leitura de hoje: "Quando Cristo se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque o veremos tal como ele é".
Nesta perspectiva, podemos contemplar a estupenda leitura do Apocalipse que escutamos como primeira leitura. O que se vê aí? Uma multidão. Primeiro, cento e quarenta e quatro mil de todas as tribos de Israel. Isto simboliza todo o Israel. Recordemos: 12 é o número do Povo do Antigo Testamento. Pois bem, cento e quarenta e quatro mil equivale a 12 x 12 x 1000, isto é, à totalidade de Israel. Deus não se cansou de chamar o povo da antiga aliança: Israel haverá de ser salvo pelo sangue de Cristo. Mas, há ainda mais: "Depois disso, vi uma multidão imensa de gente de todas as nações, tribos, povos e línguas, e que ninguém podia contar. Estavam de pé diante do trono e do Cordeiro". Essa multidão são todos os povos da terra, chamados por Cristo, na Igreja, para a salvação, para a santificação que Deus nos oferece. Notemos bem: "uma multidão que ninguém podia contar". A salvação é para todos, a santidade não é para um grupinho de eleitos, para uma elite espiritual. Todos são chamados a essa vida divina que Deus quer partilhar conosco, todos são chamados à santidade! (S
im, a salvação é para todos, mas será que todos a aceitam e recebem?)

"Trajavam vestes brancas e traziam palmas nas mãos. São os que vieram da grande tribulação e lavaram e alvejaram suas vestes no sangue do Cordeiro". Eis quem são os santos: aqueles que atravessaram as lutas desta vida, as tribulações desta nossa pobre existência, unidos a Cristo; são os que venceram em Cristo – por isso trazem a palma da vitória; são os que não tiveram medo de viver e, se caíram, se erraram, foram, humildemente, lavando e alvejando suas vestes no sangue precioso de Cristo: são santos não com sua própria santidade, mas com a santidade do Cristo-Deus. Nunca esqueçamos: ninguém é santo com suas forças, ninguém é santo por sua própria santidade: só em Cristo somos santificados, pois somente Cristo derrama sobre nós o Espírito de santidade. O nosso único trabalho é lutar para acolher esse Espírito, deixando-nos guiar por ele e por ele sermos transfigurados em Cristo!

Olhemos para o céu: lá estão Pedro e Paulo, lá estão os Doze, lá estão os mártires de Cristo, os santos pastores e doutores, lá estão as santas virgens e os santos homens, lá estão tantos e tantos – uns, conhecidos e reconhecidos pela Igreja publicamente, outros, cujo nome somente Deus conhece; lá está a Santíssima e Bem-aventurada sempre Virgem Maria, Mãe e discípula perfeita do Cristo, toda plena do Espírito, toda obediente ao Pai. Eles chegaram lá, eles intercedem por nós, eles são nossos modelos, eles nos esperam. (Creio que devem lá estar, mas quanto a intercederem por nós, qual é a base bíblica para afirmar isto? A única pessoa que a Bíblia me diz que intercede por nós é o Espírito Santo, enquanto estamos vivos - Rom.8:26 - e apenas sobre Jesus Cristo, e mais ninguém, é dito que serve de mediador entre Deus e os homens - I Tim.2:5).

Num mundo que vive estressado, que corre sem saber para onde... num mundo que já não crê nos verdadeiros valores, porque já não crê em Deus, contemplar hoje todos os santos é recordar para onde vamos e qual é o sentido da nossa vida! Não tenhamos medo de ser de Deus, não tenhamos medo de testemunhar o Evangelho, não tenhamos medo de alimentar nossa vida com o Cristo, na sua Palavra e na sua Eucaristia para sermos inebriados da vida do próprio Deus.
Infelizmente, muitos hoje têm como heróis os atletas, os actores, os cantores e tantos outros que não têm muito e até nada para ensinar. Quanto a nós, que nossos heróis e modelos sejam os santos e santas de Cristo, que foram heróis porque se venceram e correram para o Cristo! Que eles roguem por nós, pois o que eles foram, nós somos e o que eles são, todos nós somos chamados a ser."
______________________________________________________________

Acerca do dia dos finados, também foi colocado um texto, sobre o qual também gostaria de levantar algumas questões.

"Comemoração dos Fiéis Defuntos
Hoje, a Igreja recolhe-se em oração pelos seus filhos que já partiram desta vida. Para os cristãos, não se trata de um simples dia de saudade, mas de oração pelos fiéis de Cristo que já partiram para a Casa do Pai na firme esperança da ressurreição. (mas qual é realmente o propósito das orações?)
Vêm à nossa mente e ao nosso coração tantas perguntas: Que é a morte? Que é a vida que termina com a morte? O que há após a morte? São interrogações que devemos responder à luz da fé.Num mundo que já não crê e não tem quase nada a dizer sobre a vida e sobre a morte, a Palavra de Deus nos ilumina: “Irmãos, não queremos que ignoreis o que se refere aos mortos, para não ficardes tristes como os outros, que não têm esperança” (1Ts 4,13).
O cristão não pode encarar a morte como os pagãos; nós temos uma esperança, e ela se chama Jesus Cristo, aquele que disse “eu sou a Ressurreição, eu sou a Vida” (Jo 11,25)! (Aleluia!)

Recordemos algumas certezas fundamentais da nossa fé:
(1) Deus é vida, criou tudo para a vida. Ele não é o autor da morte, não entende nada de morte, não tem parte com a morte (cf. Sb 1,13-15). Pelo contrário, a morte é a separação do Deus da vida, como as trevas são a separação da luz do sol. “Deus criou o homem para a incorruptibilidade e o fez imagem de sua própria natureza; foi por inveja do Diabo que a morte entrou no mundo: experimentam-na aqueles que lhe pertencem” (Sb 2,23s). Deus pensou para nós somente o bem e a felicidade com ele! O homem, ao fechar-se desde o princípio, para o Deus da vida, desarrumou-se, desaprumou-se e passou a experimentar sua vida como uma morte: desequilíbrio, dor, egoísmo, solidão, medo, doença, falta de sentido e, finalmente, a morte física... O salário do nosso pecado foi uma situação de morte, de infelicidade, de incoerência e tristeza, que culmina com a morte física. Basta olhar o mundo ao nosso redor!

(2) Isto não significa que, se não tivéssemos pecado, viveríamos aqui para sempre. Deus não nos criou para vivermos aqui indeterminadamente: “O Senhor tirou o homem da terra e a ela faz voltar novamente. Deu aos homens número preciso de dias e tempo determinado” (Eclo 17,1s). Deus nos deu um número preciso de dias, um tempo de vida. Mas, uma coisa é certa: sem o pecado, vivendo na amizade com Deus e na harmonia com os outros e o mundo, nossa morte não teria o gosto amargo de morte. Se hoje a morte tem um aspecto trágico, é porque está ligada ao pecado, ao nosso afastamento de Deus. Por isso a morte nos mete medo e, muitas vezes, é sentida como uma ameaça de cair no nada.

(3) Mas, Deus não nos abandonou à morte: ele nos enviou o seu Filho, em tudo igual a nós, menos no pecado. Ele tomou sobre si as nossas dores, viveu nossa vida mortal, de incertezas, de tristezas, de angústias, de morte. Morrendo de nossa morte, ele foi ressuscitado pelo Pai na força do Espírito Santo. Morrendo da nossa morte, ele nos deu a possibilidade e a graça de morrer como ele e com ele ressuscitar da morte: “Eu sou a ressurreição! Quem crê em mim, ainda que esteja morto viverá!” (Jo 11,25). Desde o Batismo, unidos a Cristo morto e ressuscitado, alimentados pelo seu corpo e sangue na Eucaristia, sabemos que “nem a morte nem a vida nem criatura alguma nos poderá separar do amor de Cristo” (Rm 8,38s). Esta é a nossa esperança: vivermos unidos a Cristo já agora e, após a nossa morte, ressuscitar nele e com ele, nele e como ele!

Como o Senhor foi glorificado no seu corpo e na sua alma pela potência do Espírito Santo, assim também nós seremos glorificados: logo após a nossa morte, na nossa alma, nunca mais sentiremos o medo, a tristeza, a dor, o pranto... e, no fim dos tempos, também no nosso corpo mortal seremos glorificados: “semeado corruptível, ressuscitará corpo incorruptível; semeado desprezível, ressuscitará reluzente de glória; semeado na fraqueza, ressuscita cheio de força; semeado psíquico, ressuscita corpo espiritual” (1Cor 15,42-44). Sermos glorificados significa entrar na plenitude de Cristo, na alegria de Cristo, na eternidade de Cristo! Isto, para nós, é o Paraíso: estar para sempre com o Senhor!

Irmãos, Irmãs, rezemos hoje pelos nossos queridos que já morreram; rezemos por todos os fiéis que já partiram para o Cristo: que recebam o perdão de seus pecados e entrem na plenitude de Deus. (Concordo com as certezas da fé que referiu e com base nelas, é óbvio que a salvação pode ser recebida pelos homens durante a vida e nunca depois da morte. Se assim é, como é possível orar ou rezar, para que recebam o perdão dos pecados? Não acha isso uma contradição das certezas da fé?)

A Sagrada Escritura diz que “é um santo e piedoso pensamento rezar pelos mortos, para que sejam livres de seus pecados” (2Mc 12,46). (Não querendo entrar na discussão sobre os livros da Bíblia que devem fazer parte do Cánon Bíblico, apenas pergunto se há outras partes das Bíblia que apoiam este verso de Macabeus? Acho que não? Toda a mensagem da Bíblia é clara a afirmar que a salvação se aceita ou rejeita durante a vida e nunca pelas orações que fizerem por nós depois de mortos.)

Que nosso carinho e nossa saudade sejam acompanhados pela nossa piedosa oração, cheia de esperança na ressurreição.Mas, pensemos também na nossa vida, no destino que estamos dando à nossa existência, pois nosso encontro com o Senhor é preparado no dia-a-dia, nos pequenos momentos de nosso caminho neste mundo. São Bernardo de Claraval afirmava que nossa vida neste mundo é semente de eternidade. Pois bem! Estejamos atentos para viver de tal modo, que nossa vida seja uma amizade com Deus que começa aqui e se consumará na glória!

Voltemos nosso olhar e nosso pensamento para Cristo, vencedor da nossa morte. As palavras do Prefácio da missa de hoje são tão consoladoras: Em Cristo “brilhou para nós a esperança da feliz ressurreição. E, aos que a certeza da morte entristece, a promessa da imortalidade consola. Senhor, para os que crêem em vós, a vida não é tirada, mas transformada. E, desfeito o nosso corpo mortal, nos é dado nos céus, um corpo imperecível”.
Que o Senhor realize a nossa esperança e que nós vivamos de tal modo, que sejamos dignos dela!
Descanso eterno dai-lhes, Senhor!
Da luz perpétua, o resplendor!
Que suas almas descansem em paz.
Assim seja!"
__________________________

Agradeço os comentários deste amigo católico, oro por ele, enquanto está vivo, para que tenha a certeza agora da sua salvação e que possa também reflectir se a mensagem do evangelho que declarou é compatível com algumas das sua afirmações e com as comemorações destes dias, em especial o dia dos fiéis defuntos.

terça-feira, outubro 30, 2007

Voltar a ser criança

Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus.” – Mat. 18:3

Sendo pai de uma criança de 4 meses, agora e durante os próximo anos, tornar-se-á mais fácil perceber estas palavras de Jesus.

Um bebé necessita de ter o cuidado dos seus pais, caso contrário não sobrevirá.
Alimentar os seus filhos, limpar a sua porcaria, verificar sintomas de doenças e tratá-las são algumas das funções básicas dos pais. Quanto à parte emocional, os pais necessitam de abraçar os seus filhos, brincar com eles, falar com eles mesmo quando eles não sabem responder, ou seja, necessitam providenciar-lhes amor. É isto tudo que uma criança mais deseja receber.

Deus também age como um Pai connosco. O nosso Pai nos quer alimentar diariamente. O nosso Pai limpou a porcaria que fizemos e limpará a que viremos a fazer. O nosso Pai verifica quais as nossas doenças e tem o tratamento para elas. O nosso Pai quer passar tempo connosco, simplesmente a conversar, a abraçar-nos e a brincar. O nosso Pai nos quer providenciar amor.

Mas, será que nos conseguimos tornar como uma criança dependente para receber tudo isto do nosso Pai?

domingo, outubro 21, 2007

Como tudo começou?

Na sequência dos comentários feitos ao post anterior, e como incentivo ao esclarecimento do que pensam e dizem os cristãos sobre o criacionismo, venho sugerir, aos que puderem, a seguinte conferência:


quinta-feira, outubro 04, 2007

A bicicleta

O Pastor e Professor Martin Weingaertner (Director da Faculdade de Teologia Evangélica em Curitiba), deu-nos o privilégio de partilhar uma mensagem da parte de Deus na Igreja que frequento, no passado domingo, 30 de Setembro.
Este excelente comunicador e amante das Escrituras partilhou uma mensagem relevante e profunda usando como ilustração uma… bicicleta!

Através dela ensinou-nos seis lições:
1. Tal como uma bicicleta não é construída sozinha, ninguém é fruto do acaso. Somos criaturas de Deus.
2. Tal como uma bicicleta não tem equilíbrio em si mesma, o ser humano precisa do equilíbrio de Deus para vencer as tentações (I Cor.10:12,13).
3. Tal como uma bicicleta não se guia sozinha, precisamos de deixar-nos guiar por Deus.
4. Tal como uma bicicleta foi feita para atravessar caminhos estreitos, o cristão também tem um caminho estreito para atravessar, o do amor abnegado.
5. Tal como uma bicicleta recebe a força do ciclista, o cristão recebe a força do Senhor (Col.1:10,11)
6. Tal como uma bicicleta não foi feita para andar para trás, o cristão foi feito para andar para a frente não olhando para trás.

Já há algum tempo que pensava em comprar uma bicicleta para fazer exercício. Agora, quando estiver a andar nela poderei reflectir nesta mensagem e na minha vida como cristão.

domingo, setembro 16, 2007

O Exame de Deus

Na Escola Pública o ano escolar inicou e com ele novos alunos, novas experiências, novas emoções e novas avaliações.
Na Escola Divina não há um início definido - a avaliação para os filhos de Deus é constante. De acordo com II Timóteo 2:15 cada filho de Deus é exortado a:

"procurar apresentar-se a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a Palavra da Verdade."

Neste verso observo alguns critérios divinos da nossa avaliação:
1. Saber quem Deus é - só entendo a Sua Graça me posso apresentar diante dele aprovado
2. Saber ser a pessoa certa – sendo uma pessoa que honra a Deus e participa na comunhão do corpo de Cristo
3. Saber fazer a coisa certa – conhecendo e entendendo a mensagem da Bíblia para a minha vida.

Que nota daria a mim próprio no exame de Deus?

p.s.- a imagem é de um grupo de meninos numa escola sem condições em Moçambique, tirada em Agosto de 2002, durante um projecto missionário.

domingo, agosto 05, 2007

Vida Nova

Saudações fraternais!

Estou de volta! E agora trago a minha filha Débora (Ebi) para vos apresentar. Completou 3 semanas de vida e já "estuda" as lições de Escola Dominical com o pai. :)

Até qualquer dia.

terça-feira, maio 01, 2007

Licença "Sabática"

Para quem interessar, informo que estarei ausente deste blogue, não sei por quanto tempo, para me dedicar a outros projectos que, no momento, precisam da minha atenção.
Saudações a todos os amigos e participantes neste diálogo.

Vitor

segunda-feira, abril 16, 2007

Túmulos e Ossários

Ontem à noite, a SIC exibiu o mais recente documentário sobre a suposta descoberta do túmulo de Jesus. Todo o documentário visa apresentar evidências que comprovem a ideia de que o Senhor Jesus, para além de ter sido casado e ter tido um filho morreu, foi sepultado, tendo os seus restos mortais sido depositados num ossário.
Há tempos atrás, tivémos o Codigo DaVinci, que em vez de um filho, defendia a ideia de uma filha. Críticos, vejam já se se decidem!??
Agora temos este documentário que ataca o maior pilar da fé cristã: a ressurreição de Cristo.

A SIC prestou um bom serviço ao ter como comentadora ao documentário uma arqueóloga forense que foi capaz de apresentar diversas incoerências ciêntíficas do documentário. Mas mesmo que os "estudiosos" continuem a forçar algumas evidências interessantes de modo a dizerem o que eles querem, a fé cristã continuará bem alicerçada na Palavra de Deus que afirma:

"E, se Cristo, não ressuscitou, é vã a nossa pregação e vã a vossa fé...
Mas de facto, Cristo ressuscitou dentre os mortos." (I Coríntios 15: 13,20)

quinta-feira, abril 05, 2007

Considerações sobre a Páscoa

Em primeiro lugar, trata-se de um festa, a festa da Páscoa. É portanto uma época de alegria pela salvação providenciada por Deus. Originalmente, como sabem, o motivo da alegria foi a libertação poderosa do povo de Israel das mãos dos Egípcios, os quais serviram durante 430 anos.

Em segundo lugar, importa referir que o sangue de um cordeiro, sem qualquer defeito, teve de ser derramado de lado e por cima das portas das casas dos judeus, para que os seus lares fossem protegidos da morte. Foi a obediência a esta mensagem que os salvou da escravidão para uma vida de liberdade e debaixo da provisão de Deus.

Cerca de 1500 anos depois, surge um outro Cordeiro na História, Jesus Cristo. Apesar das constantes tentativas de fazer dele um comum homem pecador, como todos os mortais, Ele foi o único ser humano que, com a Sua vida, satisfez integralmente o projecto de Deus. Como o 2º Adão, Jesus conseguiu viver sem qualquer mancha, defeito ou pecado. Foi isso que o tornou apto a morrer, a derramar o seu sangue por todos.

Mas será que todos serão salvos pelo facto de Jesus ter derramado o seu sangue por todos?

“… se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo.” – Romanos 10:9

Eis a resposta da Bíblia. Para alguém ser salvo precisa confessar, reconhecer Jesus como Senhor da sua própria vida. Isto significa estar pronto a deixar a sua vida de “escravidão” a muitas coisas deste mundo. Mas há um outro aspecto que não podemos dissociar deste. É que a morte traz vida. Jesus morreu mas ressuscitou! Ele está vivo para demonstrar que Ele é o Senhor da Vida. Portanto, esta salvação traduz-se em sair à descoberta de uma nova vida em novas “terras prometidas”. Nem tudo será fácil. Haverá quedas e falhas mas o Senhor Deus estará consigo para o perdoar, para o guiar, para o proteger, para o amar.
É isto que significa estar salvo pelo sangue de Cristo!
É este o significado da Páscoa!

segunda-feira, abril 02, 2007

Bodas

Parece que não existe consenso em relação aos nomes das bodas de casamento, pelo menos entre Portugal e o Brasil. De qualquer modo aqui fica uma lista da boda que se comemora em cada ano de casamento, para todos os que valorizam o casamento: Bodas

segunda-feira, março 26, 2007

Bodas de Papel

Bodas de Papel" é a designação para a comemoração de dois anos de casamento. No primeiro ano comemora-se as "Bodas de Algodão". Porquê estas designações?
Talvez porque no 1º ano o casal ainda andou nas núvens, simbolizado pelo algodão. Tudo era lindo e puro. Mas no segundo ano de casamento já é preciso recordar o compromisso assumido no "papel" assinado pelos dois no dia do casamento. As diferenças, as pressões e as discussões precisam ser encaradas como fazendo parte do relacionamento e a aceitação mútua precisa ser assumida tal como se assumiu o compromisso de amar um ao outro no papel.
Agora então entramos no 3º ano, do trigo. Será que vai ser um ano de abundância?
Como devemos gerir essa "riqueza" será o nosso desafio!

quarta-feira, março 07, 2007

Criancinhas

O autor é desconhecido mas a realidade é bem conhecida de todos!

"A criancinha quer Playstation. A gente dá.
A criancinha quer estrangular o gato. A gente deixa.
A criancinha berra porque não quer comer a sopa. A gente elimina-a da ementa e acaba tudo em festim de chocolate.
A criancinha quer bife e batatas fritas. Hambúrgueres muitos. Pizzas, umas tantas. Coca-Colas, às litradas. A gente olha para o lado e ela incha.
A criancinha quer camisola Adidas e ténis Nike. A gente dá porque a criancinha tem tanto direito como os colegas da escola e é perigoso ser diferente.
A criancinha quer ficar a ver televisão até tarde. A gente senta-a ao nosso lado no sofá e passa-lhe o comando.
A criancinha desata num berreiro no restaurante. A gente faz de conta que não é connosco e o berreiro continua.

Entretanto, a criancinha cresce. Faz-se projecto de homem ou mulher. Desperta.
É então que a criancinha, já mais crescida, começa a pedir mesada, semanada, diária. E gasta metade do orçamento familiar em saídas, roupa da moda, jantares e bares.
A criancinha já estuda. Às vezes passa de ano, outras nem por isso. Mas não se pode pressioná-la porque ela já tem uma vida stressante, de convívio em convívio e de noitada em noitada.
A criancinha cresce a ver Morangos com Açúcar, cheia de pinta e tal, e torna-se mais exigente com os papás. Agora, já não lhe basta que eles estejam por perto. Convém que se comecem a chegar à frente na mota, no popó e numas férias à maneira.
A criancinha, entregue aos seus desejos e sem referências, inicia o processo de independência meramente informal. A rebeldia é de trazer por casa.

Responde torto aos papás, põe a avó em sentido, suja e não lava, come e não limpa, desarruma e não arruma, as tarefas domésticas são «uma seca».
Um dia, na escola, o professor dá-lhe um berro, tenta em cinco minutos pôr nos eixos a criancinha que os papás abandonaram à sua sorte, mimo e umbiguismo.
A criancinha, já crescidinha, fica traumatizada. Sente-se vítima de violência verbal e etc e tal. Em casa, faz queixinhas, lamenta-se, chora.
Os papás, arrepiados com a violência sobre as criancinhas de que a televisão fala e na dúvida entre a conta de um eventual psiquiatra e o derreter do ordenado em folias de hipermercado, correm para a escola e espetam duas bofetadas bem dadas no professor «que não tem nada que se armar em paizinho, pois quem sabe do meu filho sou eu».

A criancinha cresce. Cresce e cresce. Aos 30 anos, ainda será criancinha, continuará a viver na casa dos papás, a levar a gorda fatia do salário deles.
Provavelmente, não terá um emprego. «Mas ao menos não anda para aí a fazer porcarias».

Não é este um fiel retrato da realidade dos bairros sociais, das escolas em zonas problemáticas, das famílias no fio da navalha? Pois não, bem sei.
Estou apenas a antecipar-me. Um dia destes, vão ser os paizinhos a ir parar ao hospital com um pontapé e um murro das criancinhas no olho esquerdo.
E então teremos muitos congressos e debates para nos entretermos."

segunda-feira, fevereiro 26, 2007

O túmulo de Cristo!

No telejornal do Canal 1, passou uma reportagem referindo a descoberta do túmulo de Jesus e a sua família, apenas pelas inscrições na pedra de alguns nomes.
A reportagem apresentou o argumento de que se tal fosse verdade, isso significaria que Cristo não tinha ressuscitado!
Mas, por outro lado, a reportagem indicou o outro lado: segundo especialistas, é mais provável que o nome nem seja Jesus bem como não é provável que a família de Jesus tivesse um túmulo em Jerusalém. Mostrou também cristãos que continuam a crer na ressurreição de Cristo e que cantavam: Ele Vive!

Desta vez, acho que foi uma boa reportagem e que desmascarou mais um que quer ser famoso à custa de afirmações não bíblicas.

terça-feira, fevereiro 13, 2007

Ontem Portugal tremeu

Ontem Portugal tremeu.
Será que, Deus deu um "murro na mesa", perante os resultados do referendo?!
É que de alegria, Ele não deve ter saltado!

segunda-feira, fevereiro 12, 2007

Modernidade?

Agora dizem que, finalmente, entrámos na modernidade!
Será este o país moderno que devemos querer?

quarta-feira, fevereiro 07, 2007


Lobos

Descobri que a minha pergunta tem um erro. Não serão apenas funcionários públicos a fazerem o serviço. Haverá muitos mais (privados) dispostos e interessados em fazê-lo, porque sem dúvida que, caso vença o "sim", muitos interesses financeiros vão-se levantar. Só que destas pessoas não haverá o mínimo interesse em aconselhar a não abortar, como querem fazer acreditar os defensores do "sim", dizendo que haverá sessões de aconselhamento prévio. Acham mesmo que sim????

Eu Não!

sábado, fevereiro 03, 2007

A verdadeira pergunta

A pergunta colocada:
«Concorda com a despenalização da Interrupção Voluntária da Gravidez, se realizada, por opção da mulher nas primeiras 10 semanas, em estabelecimento de saúde legalmente autorizado?»

A verdadeira pergunta:
«Concorda que a mulher tenha plena liberdade para deixar que um funcionário público mate, em seu nome, um ser humano com idade inferior a 10 semanas (já com coração a bater e com actividade cerebral), que ela concebeu voluntáriamente e que já é seu filho?»

domingo, janeiro 21, 2007

sábado, janeiro 20, 2007

Despistes na vida

Há alturas na vida em que andamos com tantas coisas para fazer que nos esquecemos, sem querer, de que só faremos isto ou aquilo se Deus quiser. Assim, por razões que só Deus conhece, Ele permite que nos despistemos para que, quem sabe, voltemos à atitude certa de reconhecer a nossa total dependência d'Ele.
Romanos 8:28

terça-feira, janeiro 09, 2007

APRESENTAÇÃO À COMUNICAÇÃO SOCIAL

Movimento Cívico (com mais de 7.000 assinaturas, reunidas em curto espaço de tempo) que luta pela promoção da vida, intervindo na campanha do referendo, apelando ao “Não” à liberalização do aborto (apresentado sob a forma de despenalização):

“Diz Não À Descriminação!”

Quando: Terça-feira, dia 9 de Janeiro de 2007
Das 13h00 às 14h30

Onde: AUDITÓRIO N.º 3 DA FACULDADE DE LETRAS da Universidade Clássica de Lisboa
(ao Campo Grande/Cidade Universitária – perto da Aula Magna da Reitoria)

Para quê: Para tomar conhecimento, no mesmo momento em que a comunicação social, ouvindo e vendo o
tudo o que não será relatado por estes.
Com a sua presença, bem como a dos seus convidados, dar um importante contributo para a promoção da vida, rejeitando a morte como opção, e optando por alternativas válidas
.

domingo, janeiro 07, 2007

O que as crianças vêem


O que as crianças vêem, elas fazem
Vídeo enviado por vpmota

segunda-feira, janeiro 01, 2007

Uma fórmula de Deus

"Subtil é o Senhor, mas malicioso Ele não é.
A Natureza esconde o seu segredo devido à Sua essência majestosa, nunca por ardil."
Esta é uma afirmação supostamente de A. Einstein, que serve de inspiração ao mais recente livro de J. Rodrigues dos Santos: A Fórmula de Deus. Para além de abordar diversas teorias físicas, cosmológicas e matemáticas actuais sobre a origem do Universo, o livro apresenta uma compreensão de Deus dos nossos dias que vale a pena conhecermos. Nem que seja só para conversar com os nossos amigos.