quarta-feira, janeiro 11, 2006

A formação teológica não é tudo...

... mas ajuda muito!
Cada vez mais vejo que a formação teológica foi importante para o meu crescimento integral e é importante para que haja renovação no ministério cristão. Pelo menos esta é a minha experiência. Se tiver oportunidade, não deixe de fazer alguma das disciplinas de formação Biblico-Teológica. A seguir, recomendo algumas que serão ministradas, no próximo semestre, no "IBP-ESETE".

Pedagogia e Didáctica”, “Evangelismo e Discipulado”, “Aconselhamento Cristão”; “Princípios de Liderança Cristã” (em Inglês); “Apologética” e Crescimento ao Longo da Vida”.
Invista na sua formação teológica para bênção do Reino de Deus!

"Para saber mais..."

4 comentários:

Nagel disse...

Vitor,

Você acredita que estou na maior crise com o meu curso de teologia? Apesar disso, concordo contigo. Como seria bom que todos os ministros do evangelho, e os cristãos interessados no serviço à sociedade tivessem oportunidade desse contato com o ensino teológico.

Abraços.

Vitor Mota disse...

Nagel, crises em cursos de Teologia fazem parte do crescimento para o desenvolvimento da fé e da maturidade espiritual. Não desamines mas perservera. Fil.1:6 Um abraço

rui miguel duarte disse...

Olá, Vítor, mais uma vez.
Estava a ser absolutamente irónico. Tão irónico quanto os cartoons da reverendfun.com. A ideia era ser mesmo essa: chocar e abanar consciências pela caricatura, pois há vida cristã de caricatura no planeta Terra, quiçá um pouco em todos nós, num momento ou noutro.
Homessa, não se nota? Ai, e o sentido de humor? Eu não penso nada disso, que o futuro das igrejas está nos iPods (apesar de serem úteis para ouvir a gravação de uma mensagem)…
Um abraço e até já

Lenita disse...

Breve nota sobre o que sinto ser importante:

A formação teológica devia conter um forte incentivo a buscar Deus e reflectir de forma independente. Assim não sujeitaríamos as pessoas a escutar as mesmíssimas frases feitas durante anos e gerações.
Nas pregações falta muito o "esmiuçamento" dos temas ao nível da aplicação e da análise do que caracteriza o ser humano.
Em últimas pregações que assisti notei uma tónica forte "nos males do mundo", nas "influências negativas do exterior da igreja", mas nenhuma referência a que o mal desabrocha de nós próprios, infelizmente.
Abraços