sexta-feira, julho 21, 2006

Terra Não Conquistada

Josué era agora um homem já idoso. O Senhor disse-lhe:
"Estás já numa idade avançada e ainda há muita terra para ser ocupada.
São as seguintes as áreas que vocês ainda não ocuparam:
toda a terra dos filisteus (actual Faixa de Gaza)… a terra dos gebalitas na costa (actual cidade de Beirute?); toda a área da cordilheira do Líbano desde Baal-Gad, entre o monte Hermon ao sul, e a entrada de Hamate a norte; e ainda toda a região das colinas desde o Líbano até Misrefote-Maim, incluindo toda a terra dos sidónios.

Eu lançarei fora estes povos diante da nação de Israel; por isso incluirás toda a terra que te indiquei no território a repartir entre as nove tribos e a outra meia-tribo de Manassés, tal como te mandei.”- Josué 13:1-7

Percebe-se melhor porque há ainda hoje guerra entre Israel e o Líbano. É que Israel não terminou de conquistar a terra que Deus lhe tinha dado como herança.
Só que agora é tarde demais e não se podem corrigir erros do passado, fazendo outros!

Devemos sempre terminar, no tempo certo, aquilo que Deus nos manda fazer.

3 comentários:

Demo disse...

Caro professor

Desta vez fiquei perplexo consigo, não só por sentir-se intrigado por um “nickname” inofensivo… [poderia ter escolhido milhares deles, até mesmo um nome fictício] mas também pela atitude demonstrada ao sentir-se ofendido por eu ter minimizado a sua formação académica…afinal o esforço feito e a “pestana queimada” terá sido, para uma graduação como professor e não como simples “prof”…uma questão de estatuto, claro.
Pelo facto sinto-me obrigado, não só a um pedido de desculpas mas também a rever o meu relacionamento com os “profs” que comigo privam e que jamais me fizeram notar que o facto de serem professores, alguns com funções no conselho directivo, ou mesmo como director pedagógico, deveria ser motivo para uma correcção do léxico…ou então será pelo tamanho desta terrinha, que apesar de ter uma das escolas melhor classificadas no “ranking” nacional…não deixa de ser uma terrinha…

Quanto ao conteúdo do meu post, apenas quis fazer notar que a religião poderá ser expressa de variadas maneiras, mas sempre com um mínimo de coerência…evitando julgamentos de valores…
Decerto poderá dizer que aquilo que disse, terá feito em “sentido figurado”…podendo usar para tal uma metáfora ou uma parábola…mas eu acho que não só não terá havido comparação, tão pouco substituição…houve sim uma tentativa de dar consistência á ideia identificando a origem. (Efésios…)
Professor, a religião tem uma história que a suporta, (a ela, religião) e á “doutrina” que o Sr. tão interessadamente evoca…mas faça por não misturar as coisas de modo a não vulgarizar ou mesmo banalizar uma ideologia demasiado amada…

Espero ter sido claro, e não receie o meu “nick”, porque mesmo que pusesse um nome nada lhe garantiria que fosse verdadeiro…
Penso que com a critica lucramos todos…

Marlene Maravilha disse...

É pelo menos, sábio!
É melhor obedecer do que sacrificar! É o que vemos, mas a Palavra tem que se cumprir.
abraços

AustinMaria disse...

É verdade, mas a parte mais importante é a última: já é tarde demais. O mundo mudou e o que Deus pede hoje aos israelitas (e a todos nós) já não é a mesma coisa que pedia há milhares de anos atrás. A altura para lutar "no nome de Deus" já acabou. Agora é a hora do perdão, do amor ao próximo...embora os países tenham dificuldade em viver esses valores.

Orai, orai pela paz de Jerusalem.